Home / Notícias / Notícias Belagrícola



Inovações inflam lucro do milho nos EUA

24/10/2016


Os agricultores de milho dos Estados Unidos vêm mostrando que sabem aprender rápido. Os produtores do grão em grandes lotes de terra propriedades rurais acima de 1,2 mil hectares adotaram métodos de agricultura de precisão em um ritmo duas vezes mais rápido do que os agricultores do país como um todo, segundo um estudo do Departamento de Agricultura americano (USDA). E o empenho pode já estar dando resultados. O órgão estima que as novas tecnologias ajudaram os produtores de milho a aumentar seus lucros.



Os três anos de queda nos preços dos grãos corroeram a renda agrícola e mais produtores passaram a adotar os chamados métodos de agricultura de precisão para aumentar sua eficiência. Empresas entraram na corrida para criar produtos para atender a esses agricultores um mercado que poderá movimentar US$ 240 bilhões em 2050, segundo o Goldman Sachs. As tecnologias incluem desde tratores guiados por GPS, que diminuem a fadiga e os erros humanos, até análises detalhadíssimas de dados, que aperfeiçoam decisões de plantio.



"As tecnologias de precisão agrícola exigem investimentos significativos de capital e tempo, mas podem trazer economias de custo e rendimento maior com uma administração mais precisa de insumos", escreveu David Schimmelpfennig, economista especializado em agricultura do USDA, no estudo ‘Lucro na fazenda e agricultura de precisão’. "Embora milho e soja tenham maior área com essas tecnologias, elas também têm crescido em arroz, trigo e amendoim".



Até os anos 2000, a taxa de adoção de diferentes tecnologias no campo variava a até 22% das maiores lavouras dos EUA. Depois disso, algumas tecnologias passaram a serem compradas com mais velocidade que outras.



O levantamento mostra que cerca de 80% dos grandes produtores americanos usam aparelhos de GPS para guiar seus tratores, enquanto entre 70% e 80% valem-se do mapeamento de rendimento para determinar as áreas mais produtivas de suas terras. Entre 30% e 40% dos produtores usam a chamada "tecnologia de aplicação variável", um processo que lhes permite saber quando e como usar fertilizantes (ou outros métodos de proteção de sementes e colheitas) e quanto.



Conforme o USDA, as fazendas de tamanho médio que plantam milho e usam mapeamentos por GPS tiveram um aumento em torno a 3% no lucro operacional e de quase 2% no retorno líquido. Os sistemas de condução elevaram o lucro operacional em 2,5% e a tecnologia de aplicação variável, em 1,1%, conforme o estudo.



O estudo levou em consideração dados de período de 17 anos, iniciado em 1996. Mesmo com o aumento nos lucros, o impacto nos custos trabalhistas variou. Fazendas pequenas viram esse custo cair depois de usar as tecnologias, mas no caso das grandes houve aumento o que talvez se explique por precisarem contratar mais funcionários para ajudar a adotar os métodos.





Fonte: Valor Econômico

|Leia outras notícias